CONHEÇA MAIS NOS MENUS ACIMA

SIGA TAMBÉM NO FACEBOOK

Desenvolvendo Competências – Atitude

______________________________________________

Nos artigos anteriores de Desenvolvendo Competências entendemos que o processo de Coaching, de forma estruturada, objetiva apoiar as pessoas a identificarem e atingir estados futuros desejados, acessando e desenvolvendo seus recursos internos ou suas competências pessoais, para alcançar os resultados pretendidos. E que para isso podemos utilizar um conceito básico e usual de Competência como o CHA estabelecido por Durand (1998), que baseia a competência em três dimensões interdependentes – conhecimentos, habilidades e atitudes.

A atitude é o A do CHA e trata da conduta da pessoa em relação às diversas situações, seu impulso para agir. A atitude, de forma simplificada, é o querer fazer! Juntamente com o conhecimento e a habilidade, vai resultar na percepção da competência de uma pessoa. É nesse dimensão mais subjetiva que reside a dificuldade que as organizações enfrentam em medir a diferença de competência entre uma pessoa e outra. O que fica mais fácil de entender quando se conhece sobre os recentes estudos que demonstram que as atitudes respondem por 60% dos resultados obtidos na entrega de uma competência, enquanto o conhecimento impacta em 15% e a habilidade responde por 25% desses impactos.

Em especial quando se trata de promover mudanças, sejam no ambiente de trabalho ou na vida pessoal, pouco adianta ter conhecimento e habilidade se não houver atitude! As atitudes são extremamente necessárias quando se trata de mudar paradigmas ou crenças limitantes. O conhecimento se adquire e a habilidade advém da prática, porém a atitude vem de dentro, das convicções e dos valores pessoais, da noção que se tem sobre a própria vida, sendo menos perceptível e, por isso mesmo, pode passar desapercebida até mesmo para a própria pessoa!  E é nessa dimensão que o autoconhecimento mostra-se de suma importância para promover o crescimento pessoal!

A atitude ou o querer fazer é, portanto, a expressão da vontade. E de onde vem a vontade? De onde a motivação para buscar realizar essa vontade, que pode envolver também se arriscar e se comprometer? Será que para conseguir mudar são sempre necessárias atitudes radicais? Será que bastaria o uso da razão? Será suficiente o desejo de realizar um sonho? Quantas pessoas que tem muito conhecimento e são extremamente habilidosas no que fazem costumam, apesar disso, perder várias oportunidades e deixam de fazer o que precisa ser feito?

Se somente as atitudes respondem por 60% do desempenho alcançado, quanto poderíamos estar melhor nas áreas ou situações em que identificamos essa necessidade, se apenas conseguirmos mudar nossa forma de pensar e agir em relação a elas? Se apenas aumentarmos um pouco mais a efetividade de nossas atitudes de apoio aos nossos próprios planos, quanto conseguiríamos aumentar em termos de resultados dos nossos esforços? Não valerá a pena experimentar isso!


O vídeo abaixo ilustra, de forma comovente, a diferença que pode fazer uma atitude na vida de muitas pessoas!